Voz de Alagoas - A Voz Que Você Confia

MENU
Logo
Sexta, 30 de outubro de 2020
Publicidade
Publicidade

Maceió

Braskem apresenta novos mapas e DPE questiona divisão de riscos das áreas

Defensoria defende inclusão imediata em novo termo de acordo da área mais abrangente, que, em grande parte, coincide com relatório da CPRM

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Braskem, em reunião com a Defensoria Pública Estadual de Alagoas (DPE/AL), nessa quinta-feira (24), apresentou mapas com base em novos estudos que ampliam a área a ser indenizada em cerca de 3.100 imóveis. A DPE discordou da divisão, já que, segunda ela, toda a área é de risco presente. 

Durante o encontro, a Braskem dividiu a região que envolve os bairros Pinheiro, Bebedouro, Bom Parto e Mutange em duas áreas, sendo uma de risco presente (que entraria no novo termo) e a outra de risco futuro. 

O defensor público Ricardo Melro acredita que a prática irá atrasar futuras indenizações. "Tanto é verdade que ela coincide em grande parte com a área apontada pela CPRM, que foi objeto da ação coletiva indenizatória há um ano e meio e, ainda, tramita na Justiça para decidir a parte que não entrou no acordo. Querer dividir áreas (que a empresa já reconhece que há problema) para eventuais indenizações futuras é querer atrasar a solução em prejuízo de milhares de moradores. Vale dizer: não é caso de acolher apenas 800 ou 1.400 imóveis no novo termo aditivo, mas cerca de 3.100 imóveis. Pior ainda é querer atrelar essa inclusão da área total a outra ação coletiva que discute o meio ambiente, posto que ela não tem nada a ver com a ACP indenizatória dos moradores", informou o defensor público Ricardo Melro.

No entendimento do Defensor Público-Geral, Carlos Eduardo Monteiro, a ampliação da área, com confecção de novos mapas, não necessita da concordância da Defesa Civil ou Junta Técnica, pois é fruto de reconhecimento da mineradora, gerada por estudos que ela própria encomendou, tal qual o fez em novembro de 2019 com os estudos do Instituto de Geomecânica de Leipzig (IFG), da Alemanha. 

"Diferente seria se quisesse restringir a área. Portanto, não se deve criar formalismos desnecessários que podem atrasar consideravelmente o programa indenizatório dos moradores das áreas afetadas. Enfim, mais de três mil residências, equivalentes a cerca de mais de 10 mil pessoas, precisam entrar no próximo termo aditivo de imediato", expôs o defensor.

A reportagem tenta contato com a assessoria da Braskem. 

Fonte/Créditos: GazetaWeb

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )