Voz de Alagoas - A Voz Que Você Confia

MENU
Logo
Sexta, 30 de outubro de 2020
Publicidade
Publicidade

Maceió

Sindpol pede prisão do secretário da Seplag por descumprimento de ação judicial

Sindicato cobra a implantação da compensação financeira pelo aumento da carga horária dos policiais

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O entrave entre o Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) e a Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) continua. Por descumprir a decisão judicial quanto à implantação da compensação financeira do aumento da carga horária dos policiais civis, o sindicato, agora, pede a prisão do secretário da Seplag, Fabrício Marques.

Conforme o sindicato, os policiais civis sofreram aumento da carga de 30 horas para 40 horas semanais sem que o Governo do Estado implantasse a compensação financeira. Por conta disso, os policiais civis ajuizaram ação pela compensação financeira.

Um grupo de agentes e escrivães conquistou decisão favorável (processo transitado e julgado), que não cabe mais recurso do Governo de Alagoas, mas o secretário continua descumprindo a determinação. No entanto, para 17 delegados, que também conquistaram na Justiça, a Seplag já implantou. De acordo com as informações, as multas diárias pelo descumprimento já ultrapassam mais de R$ 100 mil.

O presidente do Sindpol, Ricardo Nazário, revela que o secretário da Seplag, mesmo sabendo que está errado, não se intimida e está praticando improbidade administrativa. "Isso é uma falta de respeito com o dinheiro público da população. O secretário merece ser preso, pois está desmerecendo os juízes de Alagoas e a categoria", revela o dirigente sindical.

Ricardo Nazário pede a Associação Alagoana de Magistrados (Almagis) que se pronuncie em defesa da reputação dos juízes alagoanos, diante do descumprimento de ordem judicial por parte do secretário Fabrício Marques.

A Gazetaweb entrou em contato com a Seplag, que ficou de se pronunciar sobre o assunto por meio de nota. 

Fonte/Créditos: GazetaWeb

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )